Feira de Artes, Ofícios e Sabores – Vimioso
18 de Dezembro de 2013 – 10:52 | Comentários desligados

O certame engloba várias vertentes, do Artesanato aos Produtos Regionais, incluindo o concurso de Doçaria da Castanha, mas também Atuações Musicais, Montaria ao Javali e Raid TT.

Leia o artigo completo »
Roteiros e Destinos

Património natural, património construído, cultura, tradições, gastronomia, muitas são as razões para visitar o nordeste transmontano. Uma região com um enorme potencial turístico que vale a pena explorar.

Gastronomia e Vinhos

A gastronomia nordestina é marcada por pratos fortes, carregados de sabor. As carnes de raças autóctones e certificadas dominam a mesa transmontana, onde não faltam os excelentes vinhos do Douro.

Cultura e Tradições

A região nordestina soube como poucas preservar a sua cultura e tradições: as festas tradicionais comunitárias, as comemorações dos solstícios, os caretos, os pauliteiros, são apenas alguns exemplos

Património Natural

Um verdadeiro santuário natural, com três espaços protegidos: o Parque Natural de Montesinho; o Parque Natural do Douro Internacional; e no coração do nordeste fica o Parque Natureza do Azibo.

Economia e Empresas

Numa zona essencialmente rural a economia assenta na agricultura de subsistência complementada com actividades que começam a ganhar dimensão: a pecuária, a produção de castanha e alguma indústria

Início » Gastronomia e Vinhos

Cogumelos: O novo filão económico e gastronómico de Trás os Montes

Enviado por em 13 de Outubro de 2011 – 15:45Comente

 

boletus_edulisUm dos recursos naturais endógenos do nordeste transmontano que merece a maior atenção pelo seu valor ecológico, gastronómico e económico é o cogumelo. Os cogumelos silvestres existem em diversidade e abundância nos solos da região, especialmente em zonas de floresta, sendo que grande parte das espécies sempre fizeram parte da gastronomia local. Míscaros, roques, sanchas, orelhas de gato e boletos, os nomes vulgares pelos quais são conhecidos, parecem ser os mais comuns e mais apreciados na mesa dos transmontanos. Há ainda outras espécies que por serem raras também são muito apreciadas como é o caso das pantorras cujo preço comercial é elevado. Existem dezenas de espécies de cogumelos de diferentes cores e tamanhos na região, a grande maioria são comestíveis.

Contudo, nos últimos anos e, graças ao interesse crescente por este produto natural, o seu incremento na gastronomia tem tido um significativo incremento devido às suas variadas aplicações desde entradas a acompanhamentos e pratos principais. Os cogumelos têm um sabor único, inconfundível e capazes de proporcionar verdadeiras iguarias. A esta procura na cozinha tem, paralelamente acrescido, um interesse comercial. No Outono e Primavera, épocas de excelência deste produto, muitas são as pessoas que se dedicam à apanha do cogumelo para venda. O negócio movimenta milhares de euros por ano na região e o destino dos cogumelos continua a ser a vizinha Espanha e França, países muito apreciadores deste produto. Recentemente foi introduzida em Portugal legislação que regulamenta a apanha do cogumelo nas florestas e terrenos privados de forma a travar a apanha desenfreada das espécies comestíveis. Para a aplicação dessa legislação muito contribuiu o trabalho da Associação Micológica a “Pantorra” sedeada em Mogadouro e que tem como principal objectivo a preservação, valorização e divulgação do património micológico. Esta associação, com a colaboração de várias universidades fez a inventariação de todas as espécies de cogumelos na região e tem promovido vários encontros micológicos em todo o distrito. A Pantorra acredita que este produto endógeno, que é noutros países fortemente valorizado, pode contribuir para uma estratégia de revitalização económica e social das zonas rurais, bem como para a gestão sustentável dos recursos naturais. Atualmente já existem no distrito projetos pilotos de plantação de cogumelos silvestres em soutos onde as duas culturas crescem em simbiose e podem ter dupla rentabilização económica. A par disso, é também no distrito de Bragança, mais concretamente no concelho de Vila Flor, que está sedeada uma das maiores empresas de produção de cogumelos da Europa: a Sousacamp. Esta empresa é responsável por 80 por cento da produção nacional de cogumelos e exporta para vários países europeus com especial destaque para Espanha, Holanda e França.

Boletus edulis - IMGP6403Screen Shot 2011-07-26 at 15_25_43

 Comentários estão fechados