Feira de Artes, Ofícios e Sabores – Vimioso
18 de Dezembro de 2013 – 10:52 | Comentários desligados

O certame engloba várias vertentes, do Artesanato aos Produtos Regionais, incluindo o concurso de Doçaria da Castanha, mas também Atuações Musicais, Montaria ao Javali e Raid TT.

Leia o artigo completo »
Roteiros e Destinos

Património natural, património construído, cultura, tradições, gastronomia, muitas são as razões para visitar o nordeste transmontano. Uma região com um enorme potencial turístico que vale a pena explorar.

Gastronomia e Vinhos

A gastronomia nordestina é marcada por pratos fortes, carregados de sabor. As carnes de raças autóctones e certificadas dominam a mesa transmontana, onde não faltam os excelentes vinhos do Douro.

Cultura e Tradições

A região nordestina soube como poucas preservar a sua cultura e tradições: as festas tradicionais comunitárias, as comemorações dos solstícios, os caretos, os pauliteiros, são apenas alguns exemplos

Património Natural

Um verdadeiro santuário natural, com três espaços protegidos: o Parque Natural de Montesinho; o Parque Natural do Douro Internacional; e no coração do nordeste fica o Parque Natureza do Azibo.

Economia e Empresas

Numa zona essencialmente rural a economia assenta na agricultura de subsistência complementada com actividades que começam a ganhar dimensão: a pecuária, a produção de castanha e alguma indústria

Início » Novidades

Mogadouro: Empresa transforma subprodutos dos lagares de azeite em combustível

Enviado por em 11 de Janeiro de 2012 – 11:09Comente

azeiteO concelho transmontano de Mogadouro vai acolher a primeira unidade do planalto mirandês com capacidade para transformar subprodutos da laboração dos lagares de azeite em combustíveis destinados a utilizadores industriais.

Segundo os promotores da unidade transformadora, o investimento ronda os cerca de seis milhões de euros, comparticipados pelo QREN em 75 por cento, e permitirá produzir cerca de 50 mil toneladas de um produto granulado combustível destinado à produção de calor.

"Toda a capacidade de produção da nossa fábrica será destinada ao mercado externo, ficando uma pequena percentagem destinada a empreendimentos sociais, como as Misericórdias", avançou à Lusa Pedro Centeno, sócio-gerente da Tira-Chuva, a empresa promotora do projecto.

Uma das principais razões que levaram à concretização deste investimento tem a ver com o potencial agrícola do concelho de Mogadouro e a sua localização geográfica.

A centralidade do concelho de Mogadouro, aliada a dois eixos rodoviários importantes como o IC-5 e o IP-2, "pesaram na escolha da localização da fábrica", que ficará instalada nas proximidades da aldeia do Variz.

"As vias de comunicação que começam a aparecer na região nordestina e a proximidade com o mercado espanhol poderão ser trunfos a favor de quem faz um investimento desta natureza", considera o empresário.

A unidade transformadora está em fase adiantada de construção e foi considerada um projecto "âncora" ao nível do PROVERE, através do programa InovaRural e desenvolvido em 2008.

De acordo com o promotor da iniciativa, toda a capacidade produtiva da fábrica será comercializada para países europeus.

"Para já não se não sente a crise no sector ligado à comercialização de produtos combustíveis provenientes da agroindústria", sustentou.

Ao lado da nova fábrica vai ser instalada uma outra unidade que produzirá energia eléctrica a partir de biomassa através de co-geração e cujo investimento previsto rondará mais 4,5 milhões de euros.

"Esta unidade poderá receber biomassas florestais de toda a região transmontana. É um projecto que liga a produção de energia eléctrica com actividades produtivas ligadas do sector primário sendo esta uma verdadeiro conceito de sustentabilidade: a energia ao serviço da sociedade ", destacou Pedro Centeno.

Segundo os investidores, as previsões da entrada em funcionamento da unidade de transformadora apontam para o segundo trimestre de 2012.

Por seu lado, os responsáveis pela câmara de Mogadouro já disseram que se trata de um projecto arrojado, capaz de trazer mais-valias económicas e sociais para o concelho e região de Mogadouro.

"Este é um dos maiores investimentos privados feitos no concelho de Mogadouro, ao qual lhe são acrescidas algumas vantagens como a resolução dos problemas ambientais provocado pelos lagares de azeite", concluiu António Pimentel, vereador do Comércio e Indústria da autarquia de Mogadouro.

 Comentários estão fechados