Projeto Mais Bragança quer Mais Turismo
29 de Março de 2018 – 14:10 | Comentários desligados

Um grupo de 15 jornalistas especializados em turismo, nacionais e estrangeiros, passaram 3 dias em Bragança a convite da Associação Comercial local
No âmbito do projeto Mais Bragança, que tem como promotor a ACISB – Associação …

Leia o artigo completo »
Roteiros e Destinos

Património natural, património construído, cultura, tradições, gastronomia, muitas são as razões para visitar o nordeste transmontano. Uma região com um enorme potencial turístico que vale a pena explorar.

Gastronomia e Vinhos

A gastronomia nordestina é marcada por pratos fortes, carregados de sabor. As carnes de raças autóctones e certificadas dominam a mesa transmontana, onde não faltam os excelentes vinhos do Douro.

Cultura e Tradições

A região nordestina soube como poucas preservar a sua cultura e tradições: as festas tradicionais comunitárias, as comemorações dos solstícios, os caretos, os pauliteiros, são apenas alguns exemplos

Património Natural

Um verdadeiro santuário natural, com três espaços protegidos: o Parque Natural de Montesinho; o Parque Natural do Douro Internacional; e no coração do nordeste fica o Parque Natureza do Azibo.

Economia e Empresas

Numa zona essencialmente rural a economia assenta na agricultura de subsistência complementada com actividades que começam a ganhar dimensão: a pecuária, a produção de castanha e alguma indústria

Início » Novidades

Miranda do Douro: Versão em língua mirandesa de “Os Lusíadas” vai ser lida por mais de 120 pessoas

Enviado por em 27 de Junho de 2012 – 9:35Comente

lusíadas mirandêsCerca de 120 pessoas, com idades compreendidas entre os sete e os 80 anos, inscreveram-se, através da rede social "Facebook", para a leitura da versão traduzida para língua mirandesa de "Os Lusíadas, refere a Lusa.

"Não se esperavam tantas inscrições para esta iniciativa, cujo elo de ligação é a língua mirandesa”, disse hoje à agência Lusa o autor da tradução de "Os Lusíadas" para língua mirandesa, Amadeu Ferreira.

A maratona de leitura está agendada para o primeiro fim de semana de agosto e fará parte das atividades paralelas do Festival Intercéltico de Sendim.

"Não se pretende que a leitura de ‘Os Lusíadas’ seja feita por pessoas com grandes dotes oratórios, mas sim que seja um ato de pertença da língua mirandesa para o país", destacou o escritor.

Segundo o especialista em língua e cultura mirandesa, mais de 60 por cento das pessoas que aderiram à iniciativa são estudantes, o que vem provar que os mais jovens começam a despertar para a aprendizagem da segunda língua oficial em Portugal.

"Numa altura em que os portugueses andam um pouco de cabeça caída, faz bem ao ego ler Camões, já que nos traz à memória os feitos dos portugueses e as dificuldades ultrapassadas ao longo da nossa História", referiu.

Amadeu Ferreira afirmou que "os poemas cantados por Camões foram uma epopeia dos portugueses e, entre esses, havia gente que possivelmente falava mirandês".

A tradução de "Os Lusíadas" para língua mirandesa obrigou a oito anos de trabalho. Agora, será lida ao longo de uma jornada com a duração aproximada de nove horas.

"Este tipo de iniciativas tem de ser bem programada e, ao mesmo tempo, terá de haver instituições que comecem a puxar pelas pessoas para este tipo de evento cultural, de forma a preservar a língua mirandesa", frisou Amadeu Ferreira.

 Comentários estão fechados