Feira de Artes, Ofícios e Sabores – Vimioso
18 de Dezembro de 2013 – 10:52 | Comentários desligados

O certame engloba várias vertentes, do Artesanato aos Produtos Regionais, incluindo o concurso de Doçaria da Castanha, mas também Atuações Musicais, Montaria ao Javali e Raid TT.

Leia o artigo completo »
Roteiros e Destinos

Património natural, património construído, cultura, tradições, gastronomia, muitas são as razões para visitar o nordeste transmontano. Uma região com um enorme potencial turístico que vale a pena explorar.

Gastronomia e Vinhos

A gastronomia nordestina é marcada por pratos fortes, carregados de sabor. As carnes de raças autóctones e certificadas dominam a mesa transmontana, onde não faltam os excelentes vinhos do Douro.

Cultura e Tradições

A região nordestina soube como poucas preservar a sua cultura e tradições: as festas tradicionais comunitárias, as comemorações dos solstícios, os caretos, os pauliteiros, são apenas alguns exemplos

Património Natural

Um verdadeiro santuário natural, com três espaços protegidos: o Parque Natural de Montesinho; o Parque Natural do Douro Internacional; e no coração do nordeste fica o Parque Natureza do Azibo.

Economia e Empresas

Numa zona essencialmente rural a economia assenta na agricultura de subsistência complementada com actividades que começam a ganhar dimensão: a pecuária, a produção de castanha e alguma indústria

Início » Novidades

IPB amplia hortas comunitárias

Enviado por em 13 de Julho de 2012 – 10:11Comente

horta1Há cada vez mais brigantinos a colher da terra aquilo que comem à mesa. As hortas comunitárias do Instituto Politécnico de Bragança foram ampliadas e estão a criar verdadeiros agricultores urbanos, refere a rádio Brigantia.

No ano passado, parte de um terreno junto à Escola Superior Agrária foi dividida em 38 talhões. A ocupação foi imediata e já este ano decidiu-se ampliar o projecto com a criação de mais 84 talhões. As primeiras colheitas estão agora a ser feitas por quem semeou os produtos naquela horta gigante em plena cidade. “Tenho feijão-verde, favas, ervilhas, morangos, curgetes, beringelas. O espaço é pequeno, mas bem gerido dá para muita coisa”, refere Duarte Rodrigues. Já Delmina Martins plantou “espinafres, cebolas, melão, melancia, repolho, pimentos, caldo verde, tomate, batata, feijão, alho francês”, enquanto Virgílio Morais diz que “plantei pouquinho mas de muita coisa. Tenho tomates, cebolas, pimentos, malaguetas, beringelas, pepinos, couves e feijões”. Alda Matos afirma que “a plantação já foi um bocadinho tarde e o que cresceu mais rapidamente foram as alfaces. Já comi uma”. Os utilizadores pagam 55 euros por ano para usufruir de um talhão de terreno, mas garante que vale a pena porque as vantagens são muitas. “É uma forma de contribuir para o orçamento, mas também de ocupar os tempos livres e conviver com as ouras pessoas”, refere Duarte Rodrigues. “Eu gosto muito das coisas caseiras porque não tem comparação com aquilo que se compra no supermercado”, afirma Delmina Martins, acrescentando que “em casa tenho um bocadinho de terreno, mas como é preciso pagar a água, já não compensa e aqui até temos o estrume”. Já Virgílio Morais vê a actividade “como um passatempo”. “Venho aqui ao fim do dia para relaxar um pouco e abstrair-me do dia-a-dia e também dá gosto ver as coisas a crescer”. Alda Matos considera que “hoje em dia a economia está muito mal e assim tenho aqui algo para a família, mas por outro lado é bom vir para aqui porque se deixa de pensar no trabalho”. O projecto está a cargo da Associação Cultural e Recreativa do Pessoal do IPB e o responsável diz que apesar de continuar a haver solicitações de terrenos já não é possível ampliar mais. “Isto surgiu por carolice e ela vai ter de ficar por aqui pois não há muito mais espaço para ampliar, pois também não é esse o intuito do IPB”, refere Pedro Oliveira, acrescentado que “isto foi uma gota de água e agora outras iniciativas poderão surgir pois o interesse continua a ser bastante e numa cidade como Bragança não faltam oportunidades de o fazer noutras áreas”.

O terreno destinado às hortas comunitárias do IPB tem cerca de um hectare de área.

 Comentários estão fechados