Projeto Mais Bragança quer Mais Turismo
29 de Março de 2018 – 14:10 | Comentários desligados

Um grupo de 15 jornalistas especializados em turismo, nacionais e estrangeiros, passaram 3 dias em Bragança a convite da Associação Comercial local
No âmbito do projeto Mais Bragança, que tem como promotor a ACISB – Associação …

Leia o artigo completo »
Roteiros e Destinos

Património natural, património construído, cultura, tradições, gastronomia, muitas são as razões para visitar o nordeste transmontano. Uma região com um enorme potencial turístico que vale a pena explorar.

Gastronomia e Vinhos

A gastronomia nordestina é marcada por pratos fortes, carregados de sabor. As carnes de raças autóctones e certificadas dominam a mesa transmontana, onde não faltam os excelentes vinhos do Douro.

Cultura e Tradições

A região nordestina soube como poucas preservar a sua cultura e tradições: as festas tradicionais comunitárias, as comemorações dos solstícios, os caretos, os pauliteiros, são apenas alguns exemplos

Património Natural

Um verdadeiro santuário natural, com três espaços protegidos: o Parque Natural de Montesinho; o Parque Natural do Douro Internacional; e no coração do nordeste fica o Parque Natureza do Azibo.

Economia e Empresas

Numa zona essencialmente rural a economia assenta na agricultura de subsistência complementada com actividades que começam a ganhar dimensão: a pecuária, a produção de castanha e alguma indústria

Início » Cultura e Tradições, Destaque, Municípios, Património Natural

Assinatura do contrato para Musealização do Centro Interpretativo do Tua

Enviado por em 2 de Abril de 2017 – 13:56Comente

civt2No prazo máximo de seis meses a empresa CARIÁTIDES, LDA, vencedora do concurso público para “Conceção e implementação de soluções audiovisuais e conteúdos para a museografia do Centro Interpretativo do Vale do Tua (CIVT)”, tem de concluir o projeto, perspectivando que no final de 2017, inicio de 2018, o equipamento possa abrir portas e ficar disponível para receber os visitantes. Esta componente de musealização custa cerca de 240 mil euros, e está dividida em três temas principais: O Vale, a Linha do Tua e a Barragem.

De acordo com as exigências do promotor do projeto, a ADRVT, o tema “O Vale”, pretende levar o visitante a envolver-se com o vale do Tua em toda a sua dimensão, natural e humana. Numa área tunelar (vai ser criado um túnel em cortiça) é recriada uma cápsula temporal que direciona o visitante num percurso de milhares de anos, desde a dimensão geológica e natural do vale até ao seu povoamento.

No tema “A Linha do Tua” o objectivo é recordar e aproximar. A ideia é levar o visitante a recordar o caminho-de-ferro e compreender a realidade local, podendo envolver-se com o sentimento dos habitantes pela perda do acesso ao comboio. A ligação entre a via-férrea e os residentes do Douro e Trás-os-Montes é o momento que se celebra.

No tema “A Barragem” quer-se levar o visitante a compreender a barragem como algo incontornável ao do Tua, independentemente do posicionamento de cada um, demonstra-se a relação estabelecida pelo desenho do arquiteto Eduardo Souto de Moura, entre a paisagem e a exigência da tecnologia. A cenografia tenta demonstrar a coexistência da diversidade de opiniões, de paisagens e desenhos que culminaram no processo hídrico do Tua. Qual o papel fundamental da barragem do ponto de vista socioeconómico, do aproveitamento hidroelétrico na região e país, as preocupações culturais, patrimoniais e ambientais na conceção construção.

O discurso museográfico do CIVT pretende despertar emoções e gravar-se na memória dos visitantes, através de dois contextos expositivos, a exposição de longa duração e as exposições temporárias.

Recordamos que a construção do CIVT, que resulta da recuperação e revitalização dos dois armazéns ferroviários existentes na Estação do Tua, concelho de Carrazeda de Ansiães , está em fase de conclusão, podendo deste já avançar a fase de Musealização. Este projeto, no seu conjunto, representa um investimento superior a dois milhões de euros e resulta das medidas de compensação da EDP para o território, decorrente da construção do Aproveitamento Hidroelétrico de Foz Tua.

O CIVT será o espaço de excelência para a preservação da memória do Vale do Tua, consagrando a Linha Ferroviária do Tua e promovendo a história deste território, a sua importância económica, social e cultural.

 Comentários estão fechados