Feira de Artes, Ofícios e Sabores – Vimioso
18 de Dezembro de 2013 – 10:52 | Comentários desligados

O certame engloba várias vertentes, do Artesanato aos Produtos Regionais, incluindo o concurso de Doçaria da Castanha, mas também Atuações Musicais, Montaria ao Javali e Raid TT.

Leia o artigo completo »
Roteiros e Destinos

Património natural, património construído, cultura, tradições, gastronomia, muitas são as razões para visitar o nordeste transmontano. Uma região com um enorme potencial turístico que vale a pena explorar.

Gastronomia e Vinhos

A gastronomia nordestina é marcada por pratos fortes, carregados de sabor. As carnes de raças autóctones e certificadas dominam a mesa transmontana, onde não faltam os excelentes vinhos do Douro.

Cultura e Tradições

A região nordestina soube como poucas preservar a sua cultura e tradições: as festas tradicionais comunitárias, as comemorações dos solstícios, os caretos, os pauliteiros, são apenas alguns exemplos

Património Natural

Um verdadeiro santuário natural, com três espaços protegidos: o Parque Natural de Montesinho; o Parque Natural do Douro Internacional; e no coração do nordeste fica o Parque Natureza do Azibo.

Economia e Empresas

Numa zona essencialmente rural a economia assenta na agricultura de subsistência complementada com actividades que começam a ganhar dimensão: a pecuária, a produção de castanha e alguma indústria

Início » Arquivo por etiquetas

Artigo etiquetado com: Mirandês

Sendim: Intercéltico começa hoje com nomes de referência da folk europeia
3 de Agosto de 2012 – 9:18 | Comentários desligados
Sendim: Intercéltico começa hoje com nomes de referência da folk europeia

O Festival Intercéltico de Sendim (FIS) arranca hoje e promete concertos na sua 13.ª edição de dois grupos da folk que são “verdadeiras instituições” musicais, como apelida a organização.
Os destaques, segundo a RBA, vão para os Gwendal, uma formação proveniente da Bretanha francesa, a celebrar 40 anos de vida, e Nuevo Master de Juglaria, grupo fundado em finais de 1969 e oriundo da província espanhola de Castela e Leão.

Miranda do Douro: Versão em língua mirandesa de “Os Lusíadas” vai ser lida por mais de 120 pessoas
27 de Junho de 2012 – 9:35 | Comentários desligados
Miranda do Douro: Versão em língua mirandesa de “Os Lusíadas” vai ser lida por mais de 120 pessoas

Cerca de 120 pessoas, com idades compreendidas entre os sete e os 80 anos, inscreveram-se, através da rede social “Facebook”, para a leitura da versão traduzida para língua mirandesa de “Os Lusíadas, refere a Lusa.

Miranda do Douro: Câmara defende entidade "forte e agregadora" para defesa da língua e cultura mirandesa
19 de Março de 2012 – 11:14 | Comentários desligados
Miranda do Douro: Câmara defende entidade "forte e agregadora" para defesa da língua e cultura mirandesa

O presidente da câmara de Miranda do Douro defendeu hoje a criação de uma entidade “forte e agregadora” para defender os interesses da língua mirandesa e promover a segunda língua oficial em Portugal.

João Botelho apresenta filme sobre o Mirandês
29 de Fevereiro de 2012 – 10:59 | Comentários desligados
João Botelho apresenta filme sobre o Mirandês

“Anquanto la Lhéngua fur Cantada”, um filme de João Botelho, com Gabriel Gomes e Catarina Wallenstein, vai ser apresentado no próximo dia 5 de Março, às 21h30, no Auditório Municipal de Miranda do Douro.

“O Principezinho”, traduzido para “L Princepico” em mirandês
12 de Abril de 2011 – 12:49 | Comentários desligados
“O Principezinho”, traduzido para “L Princepico” em mirandês

O principezinho, o clássico de Antoine de Saint-Exupéry, de 1943, foi traduzido para mirandês, a segunda língua oficial de Portugal. A edição mirandesa de “L Princepico” será apresentada publicamente no dia 15 de Abril, no Instituto Franco-Português, em Lisboa, pelo tradutor Domingos Raposo mas já está disponível nas bancas das livrarias. A obra foi traduzida para mirandês por Ana Afonso, emigrante luso francesa (juntamente com Domingos Raposo), que aceitou o desafio de traduzir um clássico para a sua língua materna. Esta foi a primeira tradução para mirandês da escritora através de um convite do cônsul de França no Porto, que, em cada lugar que passa, procura línguas ou dialectos para os quais possa traduzir este livro.